Chá, Conversa e MONTENERO N.10

 

Chá, Conversa e Montenero

http://chamontenero.blogspot.com

Nº 10 | 11 de novembro de 2009

 

©Editora Casa de Pacífica

© Arquidiocese de Lisboa

Circulação:

Sacro Império de Reunião

Reino Unido de Portugal e Algarves

França

Bélgica

 

 

Chá forte no Chimarrão só mesmo para quem é forte com sua opinião.

E para ser forte é necessário suportar a dureza da verdade e a necessidade da maturidade. Nesta edição estamos bem fortes. A revista mais lida e esperada do micro-mundo traz muitos assuntos: Uma visão panorâmica da política pelo micro-aldeia, a continuação dos estudos sobre o Socioculturalismo que nos levou a uma opinião sobre Salles e ainda uma panorâmica lida nas publicações que mereceram relevância no mundico.

Na coluna Doble Thé, uma opinião não elaborada de reuniãos sobre Reunião nos faz aferir a realidade do que passa na cabeça do reunião médio, tudo isso com uma pitadinha de humor, conversa e muito MONTENERO.

Boa leitura e bom chimarrão.

D. Fabianno Montenero C. de Monte-Real e Pacífica

Editor

Chá

Precisamos de algo forte para beber, por isso a erva escolhida para infusão de hoje é o Ilex paraguariensis, ou simplesmente erva mate. Já velha conhecida dos indígenas, tem propriedades realmente impressionantes.

Entre os benefícios presentes na erva mate estão a faculdade de aumentar a resistência à fadiga e de diminuir a fome, funcionando assim como um ótimo emagrecedor.

Três alcalóides são encontrados: a cafeína a teofilina e a teobromina. As três fazem parte do grupo das Xantinas que atuam como diuréticos, relaxantes do músculo liso, estimulante cardíaco e vaso dilatadores. A cafeeína estimula principalmente o sistema nervoso central.

Mas cuidado! O consumo em excesso pode dar palpitações, convulsões, dores de cabeça e estômago, insônia, perda de apetite, náusea, vômito e depressão entre outros problemas.

Uma infusão forte como nosso chá, conversa e MONTENERO de hoje. Boa leitura!

*      O imperador sumiu junto com a atividade reuniã. O Gigante Reunião voltou a adormecer como o Piton de la Fournaise. O paternalismo sempre foi um problema reunião criticado por vários pensadores do fenômeno “Micro-Nacionalismo”.

*      O Príncipe Reunião e o Lord Protector estão desaparecidos em Reunião. A QUAEX está à procura de ambos, se alguém souber do paradeiro deles, favor informar à nossa redação;

*      Royaume la France”: Lista nacional que tem se agitado no mundico e tem se tornado agora a número um em atividade. Só esperamos que o seja de fato aquilo que se pode chamar atividade;

*      Diretor do Banco Francês autoriza compra de 20,000$ FrancosFrancos por Jorge Defeito, rei do Reino Unido de Portugal e Algarves. Para que será que isso vai servir?

*      Portugal: ENTERREM O REI! Jorge Defeito anuncia renúncia e renuncia mesmo… Os embaixadores em solo português (únicos habitantes da lista) até tentaram ajudar ao Rei, mas não deu muito certo. Sobrinhos tentam uma vaguinha no trono;

*      “Algo de força deve ser feito…” (Jorge Defeito Halterofilista);

*      Na manhã do dia 14 de novembro – exatamente às oito e trinta e sete – Jorge Defeito deixou RUPA no seu jatinho particular chegando na França às oito e quarenta e quatro e dirigiu-se imediatamente para  o Ministério de Imigração para pedir sua cidadania. Às nove e vinte e três da manhã deste mesmo dia o carimbo já tinha sido dado na carteirinha do mais novo francês. As coisas andam rápido na frança (quando se quer que andem). A França ganha muito com a presença de Jorge Filipe Roberto Fénix Guerreiro Quinta-Nova Halliwell de Saxe Coburgo Gotha de Bragança e Feitos

*      Espanha e Bélgica: casamento ou acordo internacional? Foi anunciado o acordo pré-matrimonial entre a Infante Elena Maria e o Príncipe Kaio;

*      Enquanto isso na Casa Verde: (Em ritmo de enredo de samba: “Do luxo ao lixo”) Ouro Verde será República e como a própria palavra Res (coisa) Pública (ao uso de todos) já diz, onde todo mundo manda, não manda ninguém! Mas afinal, isso é uma micro-nação ou uma escola de samba?

*      Marcelo Gazaneu tem sua prisão decretada na escola de samba Unidos de Ouro Verde;

*      Imprensa Livre bate recorde de lixo e sexual spam esta semana. Contando com as mensagens de Diogo Melo, são mais de mil mensagens inúteis essa semana;

*      O pessoal das Aftazardendoem anunciaram a coroação do novo Arquiduque da Áustria, Protetor da Hungria e Protetor da Boêmia-Morávia, o Senhor Alexander von Hohenzollern-Friedenburg que passa a ser chamado de  Maximiliano IV. Freue dich, Deutschland!

*      JandiCreysson, vulgo Jean de Lyon, continua sendo rei de armas na França. Imaginem só isso!?

*      MIC: Casamento de Baqueiro e Marcela Fogli é declarado inválido. Oficial do Decanato propõe Sanatio in Radice para validar o matrimônio, mas a esposa deu no pé! – foi bom (?) enquanto durou!

 

 

 QUEM É D. FILIPE AUGUSTO SALES, O LORDE MURTA-RIBEIRO? [1]

 

O patriarca da família Murta-Ribeiro, à qual pertencem pelo menos dois micro-cardeais e um micro-bispo é uma figura controversa, interessante e ativa no micro-nacionalismo desde 2 de fevereiro de 2001, quando ingressou na República de Marajó, sob o pseudônimo de Philipe Auguste Depardier.

 

Traz em seu curso micro-nacional dois exílios, ao que nos consta: foi exilado no Califado Malê do Brasil, por causa de divergências políticas em Marajó, para onde voltou, utilizando seu próprio nome e ocupou o cargo de presidente e mais tarde foi exilado do Sacro Império de Reunião.

 

Também passou pela Comunidade Livre de Pasárgada, no período de dezembro de 2002 até meados do primeiro semestre de 2004 de onde se retirou após um conflito. Vai para o Sacro Império de Reunião, agora mais afeito à intelectualidade micro-nacionalista.

 

Em Reunião mantém vivo um espírito empreendedor dando vida à Fundação Teobaldo Sales entre outros empreendimentos. Enfrentou a crise de agosto de 2006 com a Ditadura Constitucional e empreendeu reformas de curta duração. “Deste seu governo, surgiu a expressão Salismo para designar o conjunto de idéias que considerou essenciais para uma nova postura do micro-nacionalismo[2]”.

 

Segundo suas próprias palavras, D. Filipe Sales é polêmico por que não consegue conviver em um ambiente pré-moldado.

 

“Não são reflexo exatamente de conspirações ou golpes, mas do fato de que aqueles cuja realidade de preferência anterior é eventualmente alterada se tornam extremamente ressentidos com a mudança (obviamente).”

 

Os acontecimentoS ligadoS à questão socioculturalista seguiram uma cronologia muito simples. Depois de vários embates entre visões contrastantes, o que estava circunscrito à lista mauritana foi, segundo uns, arrastada para a lista nacional, devido ao crescimento do Vice-Reino de Maurício[3]. Logo ganhou corpo micro-nacional e, devido às dúvidas que pairavam sobre a pessoa de D. Filipe, tornou-se, de certo modo, particularizada e personificada no socioculturalismo.

 

Com a Ordenação Gloriosa Extraordinária C/C Interventiva, datada de seis de maio de dois mil e sete, foi decretado o seu degredo juntamente com seu filho Charles Goldstein, a perda de seus títulos e honrarias, a condução até as fronteiras do Sacro Império, exclusão de todas as listas, com exceção da lista do Palácio Fritz Strauss para sua defesa, conforme havia sido pedido. Contudo, o maior golpe que abalaria sua moral certamente deve ter sido a inclusão na lista de “personas non gratas” da Chancelaria Imperial.[4]

 

Naquela época a procuradoria Geral do Império decidiu não formalizar o processo por entender que o golpe não acontecera e que não havia relevância no dossiê da Quaex. Quanto ao Felipe Sales e Carlos Góes, tentaram asilo em outras micro-nações, sem sucesso. Acabaram exilados em Pathros até que Sua Sacra Majestade Imperial, D. Cláudio I retirou o degredo e então pôde retornar a Reunião, onde exerceu atividades micro-nacionais. Retorna, agora, para Pasárgada, haja vista a revitalização e ascensão do projeto.

 

(CONTINUA)




[1] Seu Curriculum Vitae está disponível em http://pt.micronations.wikia.com/wiki/Filipe_Augusto_Sales, acessado em 26 de março de 2008.

[2]Cf. http://pt.micronations.wikia.com/wiki/Filipe_Augusto_Sales, acessado em 26 de março de 2008.

[3] Limitamos-nos a relatar como hipótese essa afirmação, uma vez que são estranhas as circunstâncias que envolvem a polêmica. Informar a hipótese é nosso dever no que tange o rigor científico, contudo, daí não se depreende nossos juízos acerca do assunto.

[4] Cf. Ordenação Gloriosa Extraordinária C/C Interventiva, disponível em http://br.groups.yahoo.com/group/areuniana/message/11813 acessado em 26 de março de 2008.

 

 
 

São poucas as novidades no mundico dos tablóides, jornais, pasquins, informativos e outras publicações do Micro-Nacionalismo. Poucos continuam como sempre, muitos continuam como sempre.

Entre os que continuam bons como sempre está a novelinha reuniã “Reunião de Paixões”. No melhor estilo mexicano, Nuno tem conseguido manter-se no ar e com um sem número de leitores. Oferece ainda um serviço VIP para assinantes. O melhor da mídia micro-nacional com qualidade e alcance de todos. Variado e atrativo!

Merece relevo o “Cartago em Folha” que tem surpreendido o micro-nacionalismo por ser novato e com uma boa proposta. Com uma boa visão multi-micro-nacional, trouxe de Pasárgada (PAS) a notícia da Crise e da renúncia do Primeiro ministro José Luís Borrás (CorPas) e detalhes do processo pelo qual PAS passará.

Entre os que continuam ruins está o velho “Comédias da Vida Privada”.  O pasquim continua obedecendo a sua linha editorial-pastelão. Nada de sério e nada de divertido ao mesmo tempo. Serve para denegrir quem quer que seja (não importa se é importante ou não).

É uma lástima que a grande iniciativa daquele que foi um notabilíssimo Premier em Reunião, D. Bruno Queiroz, tenha sido degrada e vilipendiada pelo agora Premier Tom Müler. D. Bruno tinha estilo e inteligência, o que não se pode dizer da nova versão do “Café com o Premier”. Atesta essa assertiva a frase de abertura da edição de 12 de novembro: “O ‘Café com o Premier’ chega à sua caixa de entrada com mais uma edição…” Ora, não lhes parece óbvio que ele chegou e que a edição é nova? Francamente… Sem contar com o desenho ridículo que traz no cabeçalho. Lamentável que alguém tenha estragado o que D. Bruno Queiroz fazia com tanta maestria.

No Hall das brilhantes novidades está o “Arauto Veritas” que tem conseguido unir o melhor do micro-nacionalismo com informações da vida macro. Uma simbiose que muitas vezes foi vista com desconfiança e desdém, mas que se apresenta (através do periódico “Arauto Veritas”) como um novo conceito de Jornalismo micro-nacional. Antes dessa inovação só se tem notícias de algo tão bom com uma xícara de chá!

 

 

 

Reunião sofre uma baixa na atividade e nós uma alta na inovação. Para a entrevista de hoje não quisemos um comentador da situação social de Reunião, mas vários. Por isso resolvi entrevistar várias pessoas e o resultado ficou ótimo.

Montenero:

 Giu…

 

D. Giuseppe:

 Fala fabi.

 

Montenero:

 Posso lhe fazer uma pergunta?

 

D. Giuseppe:

 Sure!

 

Montenero:

 O que há em Reunião?

 

D. Giuseppe:

 ta tudo parado,  um pasmaceira só!  Ninguém para um bom combate.  Pra você ter idéia, até o Garcia esta calado!

 

Montenero:

E onde você acha que isso vai parar?

D. Giuseppe:

Meus prognósticos são sombrios: caso não haja um aumento do movimento em dez/jan… Você precisa voltar, precisamos de agito…

 

Montenero:

E se não houver esse movimento em dez/jan?

 

D. Giuseppe:

 Ai não sei para onde vamos,  mas daqui a pouco o Claudio tira algo da cartola e pronto, fica tudo certo!

 

Montenero:

 O Cláudio, na sua opinião será uma espécie de Go’El (salvador)?

 

D. Giuseppe:

 Ele tem esse dom. Ele saber fazer as coisas movimentarem. Como ele diz, sabe fazer a rodinha continuar em movimento.

 

 

Montenero:

 Boa tarde!

 

Tiago Galvão:

 Oi, boa tarde!

 

Montenero:

 Amigo, quero lhe fazer uma pergunta…

 

Tiago Galvão:

 Fique a vontade

 

Montenero:

O que há em Reunião?

 

Tiago Galvão:

 Fácil:

1)      Tédio;

2)      Falta atividade do Claudio;

3)      Os novatos ou pessoas ativas sem cargos não tem oportunidade  você praticamente tem que implorar um  cargo e a principal;

4)      Reunião é maior esta quase sem concorrentes.

 

Tiago Galvão:

Alias, estar sem concorrência na lusofonia deixa o povo acomodado de mais!

 

Montenero:

Não acha que na França há uma certa atividade que parece crescente?

 

Tiago Galvão:

 Sim, a frança! Creio que somente ela. Alias, temod nações nanicas – não é o caso  da  França que, considero  uma nação pequena se tornando média.

Hoje é complexo sabe, Fabianno, não temos jornais, nem interesse entre as nações

 Reunião só quer anexar. Reunião vive inchada muita gente  sem fazer nada  o que faz com que  as  outras nações morram…

 

Montenero:

 E onde você acha que isso vai parar?

 

Tiago Galvão:

 O micro-nacionalismo não acabará, mas ficará parado! Vai chegar um tempo em que  não haverá quase nenhuma nação e  vai ser o jeito reunião pedir pra alguns fundarem outras nações. Engraçado  é que  na anglofonia não passam por  essas crises

 

Montenero:

 Acha que seria uma espécie de Hecatombe?

 

Tiago Galvão:

 Hehe… Houve um lance uma época em um jogo micro-nacional (alias o maior que houve) o estadium ;  chamaram  de apocalipse! vai acontecer isso… Hoje, nem reunião tem uma atividade interessante. Não há jornais, não há cooperação entre nações não a diplomacia não há projetos micro-nacionais relevantes não há idéias novas, ou seja  parado!

 

Montenero:

 O que seriam idéias novas? Parece que tudo já foi feito!

 

Tiago Galvão:

 Na verdade creio que muitos projetos já feitos não tiveram continuidade. Coisas simples! Antigamente existia um site micro-nacional chamado “microland” abrangia literalmente tudo de micro-nacionalismo noticias de todas as nações vários editores e tal… Reunião deveria ajudar essas nanicas se tornarem pequenas as pequenas em média e tal e não anexar.  Já notou que os conquistadores querem dominar o mundo  todo e depois? Vem alguém de dentro de  casa  destrói  o império e  toma o lugar

 

Montenero:

Você acha que esse é o destino do micro-nacionalismo? uma pasmaceira sem fim?

 

Tiago Galvão:

 Não! Óbvio que não! Mais tanto na vida macro como na micro deve haver  movimento e vontade. Sabe  o micro-nacionalismo não precisa de grana (bem que  é ótimo o que o Claudio faz  colocando  propagandas em revistas), precisa de  tempo, paciência e  novas idéias

 

 

 

Montenero:

Amigo, estás?

 

Alexandre:

Boa tarde, como vai?

 

Montenero:

Posso lhe fazer uma pergunta, micro-nacional?

 

Alexandre:

Claro

 

Montenero:

O que há em Reunião?

 

Alexandre:

Eu estou em webonly já faz um tempo… Então estou totalmente por fora…

 

Montenero:

E o onde você acha que Reunião vai parar?

 

Alexandre:

Eu acho que Reunião não é mais como na época de 2004/2005. Creio que os investimentos do Claudio serão perdidos… integralmente. Além do mais, o Claudio perdeu grandes colaboradores em prol da incerteza dos novatos e de falsos súditos

 

 

Montenero:

Marcela, o que há em Reunião?

 

Marcela:

Não sei que quer dizer e o que significa essa sua pergunta?

Em Reunião as coisas estão como elas sempre foram e como elas sempre serão na minha modesta opinião!

 

Montenero:

E como elas são e serão?

 

Marcela:

São assim, tudo em volta do Imperador, todo mundo querendo derrubar todo mundo. O povo dando chilique, uns fazendo cu doce, outros querendo cargos altíssimos e os novatos pedindo pra tirarem eles da lista porque eles não querem mais “jogar” micro-nacionalismo.

E é isso!  Só que agora tudo isso, sem o Azambuja… Não sei por quanto tempo, mas sem!

 

Montenero:

Bom, e onde você acha que Reunião Vai parar?

 

Marcela:

Reunião é como o capitalismo, é cíclica. Tem seus altos e baixos, mas é sempre a mesma merda. Não tem onde parar!

 

 

Montenero:

D. Diesley, O que há em Reunião?

 

Diesley:

Em Reunião, assim como em todo o micro-nacionalismo, encontramos pessoas motivadas a criarem coisas novas baseadas em seu próprio conhecimento, buscando, além superar seus limites em comparação ao macro-estado, receber também alguma honraria e reconhecimentos por seus feitos.

 

Montenero:

E você nisto tudo?

 

Diesley:

Isto é uma ferramenta que eu utilizo como aprendizado, eu sou um pouco tímido, e isso me ajuda a me soltar um pouco mais e fazer novos amigos… aprender mais sobre relações interpessoais

 

Montenero:

E onde você acha que isso vai parar ?

 

Diesley:

 Eu não sei onde vai parar! Se quer acho que vai sair do lugar. O micro-nacionalismo há muito é o que é hoje, sem muitas inovações, poderia mudar se ficasse um pouco mais dinâmico e interativo, não que fosse se tornar um jogo, mas que tudo o que fosse feito fosse também visto e reconhecido. Porém isso demandaria investimentos incalculáveis, tornando inviáveis para a proposta do Hobby gratuito e abrangente que é o micro-nacionalismo

 

 

 

Montenero:

Otto, você ainda está em RE?

 

Gustavo Otto:

Sim estou!

 

Montenero:

O que há em Reunião

 

Gustavo Otto:

Amesma coisa de sempre… A mesma chatice!

 

Montenero:

E onde você acha que isso vai parar?

 

Gustavo Otto:

Na mesma coisa de sempre: Golpes, trapaças, depois inatividade e ainda mais chatice e perda de tempo

 

Montenero:

E isso é bom ou é ruim?

 

Gustavo Otto:

É a mesma coisa né. Sempre e sempre e sempre…  Eternamente isso

Sinceramente eu só tenho uma coisa a dizer… A insistência de SSMI em dar cargos de confiança ao Baqueiro, uma pessoa que não tem respeito nenhum pelo ser humano, ofendendo e denegrindo novatos… Só torna as coisas piores… É premiar quem não tem nenhum respeito pelo ser humano. Isso realmente desanima

 

 

Montenero:

Marcelo, que há em Reunião?

 

Marcelo Brunella:

Bom Fabianno,como assim o que há?

O Que está Ocorrendo?

O Müller é Prémier,Eu sou Capitão de Conservatória e assim vai… Tirando isso nada mudou! Ah,O Baqueiro é Capitão de LP e BE – SS – FE são o novo eixo da inatividade capitanial .

 

Montenero:

E o que você acha que vai acontecer?

 

Marcelo Brunella:

Nada, esse é o pior! Eu acho que nada vai acontecer e por isso estou focado na atividade regional

 

Montenero:

Isso significa que o futuro de reunião é um marasmo?

 

Marcelo Brunella:

É isso que está apontando!

 

Montenero:

existem saídas?

 

Marcelo Brunella:

Existem sim: Atividade Capitanial

 

Montenero:

E para onde vai tudo isso?

 

Marcelo Brunella:

Não sei!

 

 

Bruno Bragança:

Oi

 

Montenero

Oi, amigo, ainda está em Re?

 

Bruno Bragança:

Estar, estou,mais não tenho participado e pra falar a verdade, nem sei o que ta rolando

 

Montenero

E o que há em Reunião?

 

Bruno Bragança:

Não sei (kkk). Não tenho acompanhado. A única coisa q vi esses dias foi uma nobiliárquica que o Crá soltou. Foi OGN e em uma delas e cancelou o titulo de visconde de ascensão. E deu títulos a uma mulecadinha q chegou esses dias fui dar uma olhada e vi q o tom Muller era o Premier eu nem sei como ele se tornou premier por que eu não participei de nenhuma votação!

 

 

Montenero

 Heitor, boa tarde

 posso lhe fazer uma pergunta?

 

Heitor:

Opa! Boa tarde, Fabianno. Claro!

 

Montenero

 O que há em Reunião?

 

Heitor:

 Não sei! Você diz por causa da inatividade? Quase nada”

 

Montenero

 E você acha que tem jeito?

 

Heitor:

 Depende. Falta entusiasmo do povo e falta alguma coisa, também, que estoure, por exemplo, alguém dizendo que o comunismo é bom…

 

Montenero

 E para onde você acha que Reunião caminha?

 

Heitor:

 Se continuar do jeito que está, Reunião pode chegar a dois lugares: à inatividade e à alienação. Eu prefiro o primeiro, para que não viremos Sofia ou qualquer outra pseudo micro-nação

 

 

 

Montenero:

Frá, me responde minha pergunta? O que há em Reunião?

 

Flávio Miranda:

PORRA NENHUMA! Mas o que eu gostei foi que seu filho anulou o casamento da Lela com o Baqueiro

Montenero:

Eu soube ontem!

Flávio Miranda:

Vou criar fofoca com isso

Montenero:

E para onde você acha que Reunião se dirige?

Flávio Miranda:

Cara, RE sobre e desse, isso é fato. Sempre será assim!

 

 

 

Correspondências

Mas uma enxurradas de leitores continuam contribuindo com nosso periódico. A revista mais lida e esperada do mundico está sempre com muitas novidades para agradar a você, caro leitor. Sempre nos diverte divertir vocês.

OBRIGADO!

 

Mais uma vez uma ótima publicação! Sou suspeito pra falar, uma vez que escrevo para a revista, mas achei ótima essa edição. Parabéns, a entrevista ficou realmente muito boa!

 

Nuno Coelho de Mendes Gonçalves

Autor de Novelas nas horas vagas

(Em CHANDON)

 

 

 

Olha Fabianno,seu jornal como sempre supera a todas as espectativas,como o meu caro e grande amigo Nuno disse agora a pouco “sou suspeito para falar”.

Mas mesmo assim como leitor está de parabéns o Jornal. 🙂

 

Marcelo Brunella Aziz Jorge

“Construtor de Ferrovias Micronacionais nas Horas vagas” (rs)

(Em CHANDON)

 

 

 

D. Fabianno e D. Marcelo,

 

Os meus parabéns à presente edição do “Chá, Conversa e Montenero”.

No meio da ‘guerra fria’, um pouco de chá e dois dedos de conversa civilizada são o que médico ordena. Nota-se ardentemente, aqui no Palácio,  a falta de mais revistas e jornais de natureza sócio-cultural e lazer geral, desde que terminou a real subscrição da revista “Hola!”.

 

Keep up the good work, gentlemen!

 

Vosso,

 

D. Filipe V

(Em Expresso Lusitano RUPA)

 

 

 

É verdade, no meio de tanta coisa improdutiva, é bom ver algo bem feito e com conteudo.

 Parabéns

 

Fernando Orleans

com saudade de escrever em jornais buá buá

(Em Expresso Lusitano)

 

 

 

É verdade, no meio de tanta coisa improdutiva, é bom ver algo bem feito e com conteudo.

 Parabéns

 

Fernando Orleans

com saudade de escrever em jornais buá buá

(Em Expresso Lusitano)

 

 

 

A revista tá muito interessante, realmente espetacular…

Gabriel Bertochi dos Santos Murta-Ribeiro da Santa Cruz e Marques Lisboa

(Em CHANDON)

 

 

Tirando o que o Brunella escreveu tá muito boa mesmo.

Atc,

 Ézio Nunes

 (Em CHANDON)

 

A cerimônia do chá requer muitos anos de treino… Antes de dominar toda esta técnica, cada detalhe, significa mais do que simplesmente servir o chá. É crucial que os movimentos sejam perfeitos, o mais educado, mais gracioso, e usando os bons modos.”    

Lafcadio Hearn